segunda-feira, 20 de maio de 2019

Emerald - Restless Souls (2019) Suiça



O conceito faz ou derruba o mais recente álbum da banda de metal suíça EMERALD, “Restless Souls”. Em alguns lugares, o sexto álbum de estúdio da banda brilha, mas em outros, o conceito e ambiente é muito fraco ou fraco para torná-lo uma obra-prima unificada. O álbum começa forte. A primeira faixa, “Freak Show” começa com um ambiente assombrado. Então, ele entra num tema de power metal clássico. O conceito foi o que me ligou ao álbum; a combinação de letras que dão as boas-vindas ao ouvinte a um show de aberração fictício e a ambiência carnavalesca que os instrumentais criaram fizeram dele uma interessante audição.
O ambiente e as letras conceituais são o que faz ou quebra as faixas do álbum. A segunda música é sólida, mas as letras e o ambiente não são nada de especial. Tem alguns bons licks, mas não se destaca para mim como algo diferente do que eu ouvi nas últimas semanas em outros álbuns. O mesmo acontece com “Digital Slavery”, a terceira faixa, e a sexta faixa, “The Wicked Force”. No entanto, este último tinha elementos com melhores temáticas e era uma música sólida. "Son of Sam" foi um destaque para mim. Com a atmosfera clássica e bons elementos thrash no refrão, os instrumentais se encaixam bem e destacaram as letras tematicamente. As poderosas melodias são fortes, mas o conceito, novamente, é o que faz essa música. “Final Stand” também teve uma boa atmosfera clássica e bons elementos thrash no refrão, mas é mais do que um excelente instrumental.
"Cad Goddeau" e a faixa-título, "Restless Souls ", também são um destaque. As faixas mais sinfônicas do álbum, ambas tinham o ambiente lírico e instrumental para me manter viciado. Infelizmente, as próximas duas músicas foram menos agradáveis para mim. "Set me Free" não tinha nada de notável, a não ser um ritmo mais lento, e "Superhero" não tinha a mesma atração que músicas temáticas anteriores e mais fortes. "Heaven Falls Down" e a faixa bónus final "Revenge" tinha elementos de thrash sólidos e adicionou alguma variedade a um álbum consistentemente mid-tempo onde as músicas eram todas em tempo 4/4.
No geral, o álbum é imprevisível. Quando os elementos temáticos, letras, instrumentais e som ambiente trabalham juntos e têm alguma exclusividade, as músicas são ótimas. Quando os instrumentais começam como todas as outras bandas de power metal de mid-tempo, sem o ambiente ou conceito para levá-lo ao próximo nível, o álbum cai de qualidade.



Bonfire - Live on Holy Ground (2019) Alemanha


A banda de Hard Rock alemã BONFIRE por algumas décadas tem sido uma das bandas de tours mais concorridas e consistentemente também é uma convidada regular em inúmeros grandes festivais europeus de Metal. Em 04 de agosto, 2018 o grupo de Ingolstadt, mais uma vez definiu um desempenho de destaque no maior festival de Heavy Metal do mundo: Wacken Open Air.
O show no Wacken foi filmado e será agora lançado em 14 de junho, 2019 como DVD, como CD, LP e digital sob o nome “Live On Holy Ground 2018”. O filme principal oferece um excelente 'best of' uma jornada através do tempo e inclui os sucessos clássicos dos BONFIRE, como 'Ready 4 Reaction', 'Sweet Obsession' e 'American Nights'. A versão em DVD com “Praying 4 A Miracle” (edição de rádio), “Locomotive Breath” (edição de rádio), “Sweet Obsession” (2019) e “American Nights” (2019) mostra quatro videoclipes bónus que também estão incluídos no DVD. CD, LP e digital como arquivos de áudio.



LOUDNESS - Rise To Glory Tour; Live In Tokyo (2019) Japão


Em setembro de 2018, no Zepp DiverCity Tokyo , o evento 'Metal Weekend' foi realizado em quatro noites com grupos como RIOT V e ANTHEM. A documentação destas noites será distribuída no DVD 2CD + e digital 17 de maio de 2019 em todo o mundo via earMUSIC .
O set no CD 1 é baseado no setlist de sua lendária turnê norte-americana de 1985, enquanto as faixas do CD 2 são baseadas principalmente nas faixas do terceiro álbum 'The Law Of The Devil's Land' e seu quarto álbum, 'Disillusion'. O DVD inclui muitas músicas do seu mais recente álbum 'Rise To Glory' junto com vários clássicos.



domingo, 19 de maio de 2019

POST DA SEMANA Dogface - From the End to the Beginning (2019) Suécia



DOGFACE, liderado pelo talentoso sueco Martin Kronlund, apresenta o novo CD intitulado "From The End To The Beginning" que contém as melhores músicas de seus três lançamentos, remasterizado e re-mixado por Kronlund.
Com o excelente vocalista Mats Levén, os suecos têm um legado notável, especialmente quando músicas como "A Single Reason" ou "Footsteps On The Moon" comprovam isso facilmente.
Por volta de 1998, o Kronlund teve algumas ideias de músicas com raízes nos anos 70 e 80 do género Hard Rock. Thin Lizzy foi a principal influência para Martin, mas também Deep Purple, Rainbow e os clássicos desse tipo. Ele começou a escrever músicas com outros amigos misturado neste género e plantou uma semente para o que se tornou Dogface.
Martin entrou em contato com Anders Skoog, que estava envolvido em projetos anteriores, como Gypsy Rose. Anders comprou recentemente um órgão Hammond C3, e este foi o som certo para Dogface. Patrik Engelbrektsson e Stefan Egeman foram convidados a integrar o grupo na bateria e no baixo.
As gravações do primeiro álbum começaram em 1998. Alguns cantores estavam envolvidos, mas algo estava faltando. Anders contatou Mats Levén com quem trabalhou em diferentes projetos. Mats chegou ao estúdio e gravou "You're Take me Down" como a primeira música.
Parecia incrível e os Dogface ficsram emocionados com sua maneira de cantar Hard Rock e suas influências de Glenn Hughes.
Graças a Magnus Söderqvist, o grupo sueco assinou um contrato com a gravadora alemã MTM Music e lançou “Dogface Unleashed”. Este álbum foi avaliado por vários críticos como o "melhor lançamento de Melódico Hard Rock na Europa" no ano de 2000.
Mais tarde no mesmo ano, as gravações para o segundo álbum "In Control" começaram.
Kronlund abriu um novo e enorme estúdio e também investiu numa consola clássica SSL 4000E. Levén também cortou o cabelo, então tudo isso marcou um novo começo para o segundo álbum dos Dogface.
Após este lançamento, um longo intervalo para os Dogface se seguiu até que eles gravaram “Back On The Streets” em 2013. Os membros foram mudados, mas o núcleo de Kronlund e Levén permaneceu como a força motriz da banda.
Com Kronlund envolvido em muitos projetos e muito ocupado produzindo para os outros, ele decidiu colocar os DogFace a descansar.
Ele diz: “Estamos muito orgulhosos do que realizamos e queremos agradecer aos nossos fãs e crentes por todos estes anos. O novo lançamento "From the End to the Beginning" agora é uma compilação com material dos três álbuns com as músicas que sentimos que representam o melhor som dos DogFace. Esperamos que tu sintas o mesmo! ”.
E ele fez um ótimo trabalho ao selecionar as melhores músicas desta talentosa e altamente subestimada banda.
Músicas como o groovy "Don'T", o escaldante e melódico hard rocker "A Single Reason", o elegante "Footsteps on the Moon", a classe midtempo de "I Will Be There", o matador "Right Between Your Lies", ou a felicidade melódica "You're Take Me Down" são músicas de morrer, todos os ganchos incríveis e vozes de primeira classe.



RAMMSTEIN - RAMMSTEIN (2019) Alemanha



Dez anos. Esse é o tempo que se passou desde que o grupo de industrial metal alemão Rammstein lançou um novo álbum.
O sétimo álbum autointitulado da banda foi lançado. Nesta fase, Rammstein é uma instituição. Tu sabes no que te está a meter quando colocas um disco dos Rammstein - batidas de bateria propulsivas, sintetizadores ocasionais fortes riffs de guitarra e as densas letras em alemão transmitidas por Till Lindemann.
E ainda, alguns elementos nos Rammstein são um tanto surpreendentes. "Radio", um de seus singles principais, captura a coisa do synth-rock no estilo de assinatura da banda, e seu vídeo é muito perverso.
Eu não falo alemão, nem subestimo muito de qualquer coisa que Lindemann diga em qualquer música dos Rammstein - mas sempre senti que sua entrega e presença vocal em geral transmitem emoções evidentemente, mesmo sem entender as letras em si.
Musicalmente, há algumas coisas poderosas sobre Rammstein, um coro de vozes abre “Zeig Dich” antes de um riff de guitarra frenético assumir o comando, por exemplo.
E enquanto os Rammstein não se interessaram muito pelo crossover pop / metal muito no passado (salvo por alguns exemplos), mash-ups de dance / metal prontos para o club como “Auslander” poderiam facilmente obter um tema de remixes de EDM. Desde a sua sintetização até a batida disco de bateria e Lindeman repetindo as frases “Mon amor” e “c’mon baby, c'est la vie!” Ao longo da faixa, é um momento de destaque com certeza.
Os elementos sinistros, às vezes perversos , da música dos Rammstein ajudaram o grupo a ganhar a atenção que tem por décadas - especialmente nos Estados Unidos, onde o elemento de barreira da linguagem sempre desempenhou um papel no apelo da banda - então uma música como “Sex,” O que conta com um refrão de mão no ar, pronto para o público, faz parte de um espaço anteriormente ocupado por hinos como o infame “P *** y”, do álbum anterior da banda.
Se este é, de fato, o último álbum de estúdio dos Rammstein, é um jeito dramático de se despedir, preenchido com todos os elementos que colocaram a banda no mapa nos anos 90, com um pouco de risco em boa medida.



sábado, 11 de maio de 2019

Midnight Priest - Aggressive Hauntings (2019) Portugal



O terceiro álbum dos MIDALIGHT PRIEST foi originalmente planeado para o lançamento em 2018, mas teve que ser adiado para a data de lançamento do festival Keep It True deste ano, já que não estava pronto a tempo. Infelizmente, graças à incompetência e falta de confiabilidade da nova planta de prensagem com a qual decidimos trabalhar (na verdade, junto com o intermediário que estava cuidando do nosso pedido), não recebemos "Aggressive Hauntings" (assim como os outros dois lançamentos: SACRAL NIGHT "Ancient Remains" e IN AEVUM AGERE "Canto III") para o festival. Neste momento, parece que os teremos duas semanas após a data de entrega originalmente garantida, por isso definimos a nova data de lançamento para 10 de maio. De qualquer forma, o novo álbum dos MIDNIGHT PRIEST é um pouco mais voltado ao seu estilo de heavy metal mais antigo e malvado - é definitivamente mais pesado e mais agressivo que o anterior. Parece muito clássico e fresco ao mesmo tempo e deve definitivamente agradar aos fãs de bandas como JUDAS PRIEST, MERCYFUL FATE, RAM, TRIAL (Swe.), PORTRAIT, WOLF, ENFORCER e STEELWING.



quinta-feira, 9 de maio de 2019

POST DA SEMANA Whitesnake - Flesh & Blood (2019) UK



Parece que tem sido uma espera incrivelmente longa para um álbum de material novo dos Whitesnake. Embora o último álbum de 2015, “The Purple Album”, não tenha sido mau para esticar a imaginação, também pareceu mais um álbum solo de David Coverdale, com David prestando homenagem ao seu passado com o todo-poderoso Deep Purple .
Ao fim de quatro anos Whitesnake explodiu de volta à ação com um incrível novo álbum chamado "Flesh & Blood". Quando ouvi o primeiro single, “Shut Up And Kiss Me”, fiquei intrigado. Foi só depois de ouvir “Trouble Is Your Middle Name” que eu comecei a perceber que este álbum ía ser algo especial, mas depois de ouvir o álbum todo, ficou claro que isso iria se classificar entre os álbuns clássicos da banda como " Whitesnake" de 1987 e "Slip Of The Tongue" de 1989 .
O álbum começa com um riff massivo que leva a “Good To See You Again”. Tem uma slide guitarra realmente desagradável e baixa e suja baseada em blues, o que me lembra a era “Slide It In”. Tu tens que dar crédito a Coverdale. Whitesnake teve algumas mudanças de formação ao longo dos anos, mas notavelmente, a banda ainda mantém um som bastante consistente e reconhecível. Reb Beach realmente tem a chance de brilhar neste álbum com alguns solos incríveis e riffs ardentes que trazem o som clássico dos Whitesnake de volta às massas. A guitarra de Beach e Joel Hoekstra parece funcionar muito bem durante todo o álbum. Claro, ter um baterista clássico como Tommy Aldridge ao leme também não faz mal. Alguns sons de bateria de Tommy dos discos dos anos 80 dos Whitesnake ainda estão gravados na minha memória e esse estilo ainda prevalece em “Flesh & Blood”. Completando a seção rítmica está Michael Devin, que fornece um baixo pesado excelente para manter tudo bem equilibrado. Embora muito tenha sido dito sobre David Coverdale ao longo dos anos, tenho que dizer que soa muito bem aqui, especialmente considerando quantos anos ele tem estado chorando e gritando. É incrível que suas cordas vocais não estejam completamente destruídas agora. Coverdale ainda consegue atingir alguns altos gritos nos álbuns e as mudanças em sua voz ao longo dos anos só o tornam mais adequado para aquele som de blues-rock que fez de Whitesnake um nome conhecido.
"Flesh & Blood" parece um regresso real para Whitesnake. Este álbum será definitivamente incluído na lista de muitas pessoas para o melhor álbum de hard rock de 2019, e com razão. Se tu estás procurando aquele álbum que traz de volta muitas lembranças e lembra te porque te tornaste um fã de rock em primeiro lugar, “Flesh & Blood” de Whitesnake é a resposta. É um álbum verdadeiramente notável, que prova de uma vez por todas que o rock n 'roll não está apenas vivo, mas pode ser uma força dominante na música novamente.



Sammy Hagar & The Circle - Space Between (2019) USA



THE CIRCLE , o supergrupo aclamado pela crítica de Sammy Hagar , também apresentando Michael Anthony , Jason Bonham e Vic Johnson , lançará seu primeiro álbum de material totalmente original, "Space Between" , em 10 de maio via BMG .
Hagar disse ao jornal Broward Palm Beach New Times no ano passado sobre os temas líricos abordados em "Space Between" : "É sobre o equívoco que o dinheiro é a raiz de todo o mal, porque a verdade é que não é dinheiro de jeito nenhum". Tu podes alimentar os pobres, tu podes curar os doentes, tu podes fazer as pessoas felizes, tu podse parar uma guerra com dinheiro, mas é a ganância que é o problema. É disso que se trata todo o disco. É o que eu descobri sendo ambos rico e pobre."
Formado em 2014, o aclamado supergrupo rapidamente se estabeleceu como um dos mais empolgantes e emocionantes shows ao vivo da atual turnê , rompendo com perfeição os sucessos dos MONTROSE , VAN HALEN , SAMMY HAGAR E WABORITAS e LED ZEPPELIN .
A BMG assinou um contrato de selo mundial com a SAMMY HAGAR & THE CIRCLE para "Space Between" , e também incluirá títulos de catálogo selecionados de Hagar .
Liricamente e musicalmente, a coleção de músicas em "Space Between" constrói de íntimos e introspectivos de olhos abertos para hinos de fazer bater o coração. A música baseia-se nas carreiras substanciais das bandas de forma independente e colaborativa; apresentando uma banda veterana ainda no auge de sua música.
THE CIRCLE lançou um álbum de concertos, "At Your Service" , em maio de 2015. Gravado em turnê em 2014, contou com performances ao vivo de hits de Sammy quatro décadas de rock ( MONTROSE , solo, VAN HALEN, THE WABORITAS , CHICKENFOOT ) bem como faixas clássicas do catálogo LED ZEPPELIN .


DONNIE VIE - Beautiful Things [Japan Edition] (2019) USA



Donnie Vie é um dos maiores segredos do rock que vem criando músicas de melódico rock e pop há mais de 30 anos. Ele e sua antiga banda, ENUFF Z'NUFF, eram queridos da crítica instantânea. Donnie já acumulou mais de 25 álbuns de canções e décadas de shows ao vivo, com e sem sua antiga banda. Agora um trabalho solo, Vie tem o prazer de anunciar o seu novo álbum, "Beautiful Things".



quarta-feira, 8 de maio de 2019

Crazy Lixx - Forever Wild (Japanese Edition) (2019) Suécia



Os hard rockers suecos Crazy Lixx estão de volta com outra joia de sleaze metal que remonta ao melhor do rock dos anos 80, ao mesmo tempo que mantém um pé plantado no século XXI. "Forever Wild" cimenta ainda mais os Crazy Lixx como um dos líderes do renascimento do hard rock escandinavo dos anos 80. Com refrões enormes, ganchos e riffs memoráveis, solos de guitarra emocionantes e produção massiva de Danny Rexon e Chris Laney, este álbum certamente ressoará tanto entre os antigos fãs quanto novos ouvintes. A banda explora uma gama maior de estilos do que nunca em "Forever Wild". Do hard rock e da faixa de abertura do hino "Wicked" ao AOR inspirado próximo single "Silent Thunder" para músicas como "Eagle" que soam como se saíssem de um álbum Bon Jovi por volta de 1986, Crazy Lixx consegue misturar um amor e reverência pelo rock dos anos 80 com seu próprio selo em cada faixa. Com "Forever Wild", Crazy Lixx colocou a fasquia muito alta contra o seu próprio catálogo reverenciado e célebre. O melhor álbum deles até agora? Nós diríamos que sim!
Fonte: Frontiers Records



Ruthless - Evil Within (2019) USA



Os californianos RUTHLESS ainda estão ativos nesta década e com "Evil Within" eles lançaram seu mais novo trabalho após o álbum de regresso "They Rise" de 2015 através da Pure Steel Records novamente. O guitarrista Ken McGee e o vocalista Sammy DeJohn detêm a bandeira alta do US Metal desde 1982. Famosos pelo clássico EP de 1984, "Metal Without Mercy" e pela estreia em 1986 "Discipline Of Steel", RUTHLESS ainda está em aço inoxidável em 2019. O novo álbum contém nove músicas compostas pelos jovens membros da equipe - Sandy K. Vasquez (baixo) e Chris Westfall (guitarra) - bem como por Ken McGee. O poderoso Metal americano, como raramente é concebido nos dias de hoje, é entregue a qualquer fã do género. Poderoso como sempre - RUTHLESS.
Fonte: Pure Steel Records



terça-feira, 7 de maio de 2019

Rustless - Awakening (2019) Itália


"Awakening" é o quarto teste de Rustless, uma banda liderada por três ícones do hard rock / metal italiano como Stefano Tessarin, Lio Mascheroni e Ruggero Zanolini, que todos vão-se lembrar como militares nas linhas Vanadium, "motores primários" (absolutos para Pino Scotto) da cena tricolor. Mas tenha cuidado, porque eu não gostaria que o passado, por mais glorioso que fosse, obscurecesse o "sentimento comum" desse "Awakening", uma demonstração impressionante de força para a frescura composicional, variedade estilística e, obviamente, conhecimento técnico. O Hammond abre a faixa-título, com Zanolini se disfarçando de Jon Lord, para uma música que cheira a Deep Purple de qualquer maneira, com uma referência particular a "Perfect Strangers". Em "Message To God" a banda gosta de misturar os cartões, borrifando a veia criativa do progressivo metal moderno, e tenho certeza de que o maravilhoso palavreado das seis cordas do maestro Tessarin não deixará indiferente ninguém que ainda acredite na magia de uma guitarra elétrica. "Heart's On Fire" é um incrível tema AOR que lembra o melhor Foreigner, com a extraordinária dose de Roberto Zari (um fenômeno, ponto final) que absolutamente não lamenta o Lou Gramm do passado. "Invisible" fala agora o verbo de um prog-metal magro, mas elegante, especialmente no pródigo andaime instrumental, mesmo que pensemos que o habitual e fantástico Zari falaria a linguagem da mais pura e cristalina melodia. Com "Light Into Pain", viver em união com a alma mais articulada do grupo e mais fácil de ouvir, por uma combinação de classe rara, antes de "I Wanna Rock You" explodir em toda a sua intenção bélica, com Deep Purple / Rainbow ainda na mira dos Rustless. Eu imagino que Lio Mascheroni, "estilo Cozy Powell" tenha gostado de um encaracolado calor em "abater" sua bateria para a música em questão. "What Kind Of Love" é a balada persuasiva do álbum, doce sem tocar o mel, refinado sem cair na maneira fácil. Em "Tell Me", as estrelas do exterior ainda brilham, para um magnífico exemplo de rock pomposo que mais velhos não terão dificuldade em assimilar de qualquer forma à proposta que era (na época) de Giuffria ou dos House Of Lords. "Ride With The Wind" uma sofisticada linguagem prog-metal volta a falar, felizmente sem jamais exagerar em tecnicismos por si mesma, mas deixando a atenção focada na "música" como tal. O encerramento deste espetacular trabalho é deixado para "Take The Sun", provavelmente a música que melhor resume os dois impulsos criativos dos Rustless no ano de 2019, entre elaboradas texturas instrumentais e melodias com um gosto requintadamente "cativante". Disco de beleza transbordante, ignorá-lo seria um crime.


MARC VANDERBERG - Phoenix From The Ashes (2019) Alemanha


Marc Vanderberg lançou oseu novo álbum ' Phoenix from the Ashes ' em 29 de março através do selo darkSIGN-Records.
A obra será a terceira na carreira do guitarrista alemão e conta com convidados como Göran Edman, Chris Divine, Tave Wanning, Michael Schinkel e Paulo Cuevas.
Também participam Dustin Tomsen, Raphael Gazal, Oliver Monroe e Stefan Zörner.
O trabalho se move através do hard e heavy rock melódico tradicional na veia dos Europa e Malmsteen.



segunda-feira, 6 de maio de 2019

RUSS BALLARD - ST '84 [Japan remastered +4] UK


BRITISH LEGEND COLLECTION vol. 85 “The Challenge to America AOR Market” América “The Magic of the Wind” O sexto álbum solo lançado em 1984, que atraiu a atenção novamente como compositor. O poderoso som do trio, com Moe Foster e Simon Phillips, é uma peça atraente. O single “Voysez” também foi usado no popular drama de TV “Miami Weiss” na época, e atraiu muita atenção. Inclui 3 faixas bônus. Reprodução do LP original britânico.



Asomvel - World Shaker (2019) UK



Asomvel, é um trio fiel às suas raízes como um grupo de clássico Heavy Metal. Seu som está enraizado principalmente em Motorhead até as linhas de baixo distorcidas de Rickenbacker e vocais rosnando. No entanto, com seu som tão reminiscente de bandas clássicas, eles podem resistir por conta própria? Agora o álbum “Knuckle Duster” que eles lançaram alguns anos atrás foi muito bom e um álbum muito divertido, mas eu senti que a produção era um pouquinho chata em partes e os vocais pareciam um pouco fora. No entanto, com "Worldshaker", a banda continua com o sobrinho do vocalista Jay Jay Winter na frente da banda e este álbum que eu tenho a dizer é muito divertido.
Agora, o que faz deste álbum para mim uma melhoria em relação ao “Knuckle Duster” é, em primeiro lugar, que a produção parece um pouco mais animada. O baixo realmente assume o controle e ainda combina bem com as linhas de guitarra. Mesmo achando que o som do Motorhead é ainda mais pesado aqui, ainda funciona porque a qualidade da música é muito alta. Temos músicas como a faixa-título, “Runnin The Gauntlet” e “Every Dog Has It's Day”, para músicas que estão trancadas em grooves sólidos como “PayBack's A Bitch”, “Reap The Whirlwind” e o genérico, mas direto ao ponto intitulado "The Law Is The Law". No entanto, para mim, pessoalmente, a melhor música aqui é "The Nightmare Ain't Over", que é uma das melhores músicas e termina o álbum com tudo o que tem.
Embora este álbum seja tudo menos original, ele é forte com uma sólida seleção de músicas que são simples e hard rock and roll. Asomvel para mim são muito como Airbourne está no espírito de manter esse som Hard Rock vivo e este disco definitivamente exemplifica isso por mostrar que a velha escola ainda tem um lugar em 2019.



Hunter - Hunter (2019) Bélgica


Hunter é uma banda de heavy metal da Bélgica. Cinco músicos que se conhecem há 20 anos e que tocaram em várias bandas juntos, finalmente juntaram forças em 2016 para criar heavy metal no sentido tradicional da palavra. Hunter representa metal pesado poderoso, avesso a subgêneros e estereótipos.
Um século combinado de experiência e todos os tipos de influências se juntam como uma poderosa mistura de quem gosta de Judas Priest, Iron Maiden, Manilla Road, Metal Church, Omen e Cirith Ungol.
Hunter traz para ti um ataque relâmpago do metal mais puro com todos os ingredientes certos: riffs esmagadores, altas guitarras e solos nítidos, uma seção rítmica como uma coluna panzer e intensos vocais poderosos.
Fonte: Facebook


Carthagods - The Monster in Me (2019) Tunísia


A banda Carthagods da Tunísia está de volta com a continuação do seu primeiro álbum autointitulado, intitulado The Monster In Me. Depois de duas décadas de muitas mudanças de formação e incontáveis shows ao vivo pela Europa e na sua terra natal, a banda finalmente conseguiu se concentrar na sua discografia de estúdio. O representante mais importante da cena Heavy Metal da Tunísia tem tentado o seu melhor para criar um sólido álbum de Heavy Metal e parece que eles provavelmente terão sucesso neste trabalho.
Este novo projeto inclui oito novas músicas de clássico Heavy Metal enriquecido com elementos Progressive e Power metal. A maioria das faixas são fáceis de ouvir devido ao fato de que as composições são baseadas em simples riffs de guitarra misturados com interlúdios melódicos e seções sólidas de bateria.
No que diz respeito às partes vocais, existe uma voz padrão de heavy metal que é adaptada de uma maneira muito boa às melodias, mesmo que o vocalista use uma escala pequena no canto. A faixa de introdução é uma música rápida de ritmo / power metal intitulada “Whispers From The Wicked”, seguida pela faixa-título que não tem alterações de ritmo.
É hora de uma música mid tempo “The Devil's Dolls” , que tem um som clássico com muitas seções melódicas, seguido por uma balada chamada “The Rebirth” e uma faixa progressiva com alguns riffs de estilo thrash, chamada “A Last Sigh”. Uma música de velocidade / power metal “Cry Out For The Land” leva à parte mais lenta e final do álbum. Esta seção inclui uma balada lenta “Memories of Never Ending Pains” e uma versão orquestral da faixa “The Rebirth”.
Este disco tem um sólido som de Heavy Metal e o trabalho dos membros da banda para criar material de muito boa qualidade são muito apreciados. Infelizmente, as músicas não são memoráveis, não há nada inovador no que diz respeito à música e os vocais são monótonos. É um bom álbum, a banda mostra que tem talento e futuro no campo com certeza, mas depois de alguns momentos de escuta, ele simplesmente se torna indiferente e esquecível.



domingo, 5 de maio de 2019

Royal Bliss - Royal Bliss (2019) USA


Royal Bliss é uma banda de rock norte-americana de Salt Lake City, Utah, formada no ano de 1997, eles já lançaram oito disco, tocando para multidões em várias cidades dos Estados Unidos, como Califórnia, Nevada, Idaho, Montana, Wyoming, Oregon, Washington, Illinois, Iowa e Texas. Teve um ano que a banda tocou no Key Club em Hollywood e posteriormente foram solicitados a fazer mais um show, pois o primeiro havia esgotado todos os lugares, eles já lotaram o Roxy Theatre em um show extremamente bem-sucedido.



Riot City - Burn the Night (2019) Canadá



Os excelentes speed metallers do Canadá, Riot City, lançam Intitulado “Burn The Night”, esse álbum definitivamente o atrai com a atraente e colorida capa que parece homenagear algumas das capas mais memoráveis dos Priest. No entanto, o que está lá dentro faz a tua cabeça bater incontrolavelmente e infinitamente até o último segundo.
Abrindo com "Warrior Of Time", a introdução rapidamente se transforma num assalto puro de bateria aos teus ouvidos de uma excelente maneira. As guitarras galopando junto com as vozes épicas e de falsete realmente fazem o álbum começar bem. Esta música mostra o quanto cativante o álbum pode ser imediatamente. A faixa-título é uma das minhas favoritas, com o riff principal ficando preso na minha cabeça assim que o oiço pela primeira vez e o solo está apenas transbordando de magia e intensidade! In The Dark é outro grande destaque com vozes cativantes e uma incrível abertura acústica antes que sejas atingido na cara com um brutal duplo bumbo. Honestamente, não há uma faixa má retratada neste álbum, desde o riff heavy de Livin 'Fast até as alucinantes velocidades de Steel Rider, até o cativante Halloween Midnight, este álbum é bom durante todo o tempo.
No geral, Riot City criou um álbum de estreia que correspondeu às expectativas. Eles definitivamente levaram tempo com estas músicas para dar-lhes magia e uma faísca que fará qualquer fã da velha escola se sentir confiante de que ainda há verdadeiras joias sendo produzidas lá fora e Burn The Night será uma daquelas que eu lembro com carinho olhando para trás.



Amon Amarth - Berserker (2019) Suécia



É ao fim de quase 30 anos de existência que os Amon Amarth (suecos vikings com nome retirado do universo de Tolkien) utilizam o termo berserker para um título ou conceito. De facto, este décimo primeiro álbum é uma fúria incontrolável, mas ao detalhe pode, infelizmente, não passar apenas disso, mesmo que se incluam novos elementos como guitarras acústicas na faixa inaugural “Fafner’s Gold” ou piano na última “Into the Dark”.
Habitualmente épico a toda a largura e com a patente sonora bem impregnada que nos leva a dizer ‘isto é Amon Amarth’ ao fim de poucos segundos de um riff, “Berserker” sofre de um mal que tinha de surgir a qualquer momento: tirando os dois novos ingredientes assinalados atrás, a novidade dos suecos é mais do mesmo. As ideias estão audivelmente batidas e já foram ouvidas vezes sem conta ao longo de mais de 25 anos, sendo que algumas faixas, como “Wings of Eagles”, dão a entender que foram feitas à pressa e sem grande paixão – o que é um grande abalo para os fãs mais acérrimos. O tal riff/lead de marca de Amon Amarth existe, claro que sim, mas ao fim de três audições começa a ser perceptível que o álbum carece daquele murro na cara, daquela fertilidade que é imaginar um guerreiro viking na proa da sua embarcação a levar com vagas, chuvas e ventos enquanto clama por Odin.
É sempre um erro querer que as nossas bandas preferidas repitam ou assemelhem na actualidade aquilo que de muito bom fizeram anos antes, mas a verdade é que “Berserker” necessitaria de um punch que facilmente fora encontrado em temas como “The Pursuit of Vikings”, “With Oden on Our Side”, “Twilight of the Thunder God” ou “Raise Your Horns” e agora não é - ou quase nada. Após tantos anos não se pode estar ininterruptamente no topo, e quando na estrada se ganha muita popularidade, é possível que o trabalho de estúdio sofra - é o que parece estar a acontecer, e “Berserker” poderá enfim, nos anos vindouros, passar despercebido numa discografia vasta e rica.
Fonte: ULTRAJE